quinta-feira, 11 de maio de 2017

ENTREVISTA: Aquiles Priester e Fabio Laguna - HANGAR

Depois de quase implodir, segundo nos confirmaram nesta entrevista, o Hangar, banda de Heavy Metal originada em Porto Alegre/RS sob a tutela do mestre Aquiles Priester retorna ao cenário nacional e mundial com o seu novo álbum, cujo título Stronger Than Ever sintetiza o momento vivido por Pedro Campos nos vocais, Nando Mello no baixo, Eduardo Martinez e Cristiano Wortmann nas guitarras, Fabio Laguna nos teclados e o citado Aquiles Priester na bateria.

Para saber mais detalhes de Stronger Than Ever, conversei pessoalmente com Aqulies Priester e Fabio Laguna uma entrevista para o site - Rock On Stage (www.rockonstage.org) que comentaram também sobre influências, a escolha do repertório do cd, a produção, a capa, os projetos paralelos e muitas outras curiosidades acerca do Hangar, confira.

Rock On Stage: O Hangar foi formado em novembro de 1997 em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, com o objetivo inicial de tocar alguns covers de bandas de que todos gostavam, tais como Stratovarius, Helloween, Dream Theater, Primal Fear, Yngwie Malmsteen, Gamma Ray, Deep Purple, Pantera, Judas Priest, Ozzy Osbourne e Iron Maiden. Essas bandas ainda são influentes para vocês? Quais são as inspirações atuais? Quais são as maiores influências?

*Aquiles Priester: Digamos que no início éramos mais 'metaleiros' e com o passar do tempo fomos envelhecendo e ampliando o nosso repertório. Hoje somos muito mais ecléticos e estranhos.

*Fabio Laguna: Com certeza todas essas bandas contribuíram para o que somos hoje. Eu ainda costumo ouvi-las, mas, como o Aquiles disse, a gente precisa buscar "novidades" ou fatalmente nos tornaremos datados. Se você comparar os primeiros álbuns do Hangar com os mais recentes... fica fácil perceber que muitas outras influências foram agregadas ao som da banda.

Rock On Stage: Como foi a escolha do repertório para o álbum atual?

*Aquiles Priester: Entramos numa sala e tocamos como se não houvesse amanhã durante uma semana. Nesse período tivemos tempo de compor 8 músicas. A nona, fizemos a partir de uma ideia do Cristiano (Wortmann - guitarrista), que mudei a estrutura e os arranjos e dessa parceria surgiu a The Silence Of Innocent. O Fábio também teve participação essencial na parte instrumental dessa música.

*Fabio Laguna: Aconteceu basicamente como o que acontece em todos os outros álbuns que lançamos... Não deixamos material extra, ou "sobra de estúdio". O que é composto e tem a aprovação da banda entra no álbum. E quando temos um número suficiente de canções para fechar um disco, damos sequência à fase de lapidação, de arranjos e estruturas. As etapas são bem definidas, depois da composição seguimos adiante, focando nos arranjos e melodias, por exemplo.

Rock On Stage: O Hangar já passou por formações variadas, vocês acreditam que essa seja definitiva?

*Aquiles Priester: Isso vai depender da expectativa de cada um da banda. Nós temos conversado muito sobre isso e parece que estamos todos no mesmo barco.

*Fabio Laguna: Impossível saber. Nada é para sempre. E para quem está dentro, que seja eterno enquanto dure... Todos têm muitos motivos para sair e não sai quem tem ainda mais motivos para ficar.

Rock On Stage: Como ficam os projetos paralelos de alguns integrantes em relação ao Hangar?

*Aquiles Priester: Ficam muito bem. Muitas vezes é bom ter bastante trabalho para não precisar arrumar um emprego formal.

*Fabio Laguna: Exato. Os trabalhos paralelos permitem que não sacrifiquemos tanto a receita que o Hangar gera. Seria muito legal viver somente de uma banda, mas, por outro lado é alienante fazer a mesma coisa a vida inteira. Quando participamos de outros trabalhos musicais agregamos novas influências e temos parâmetros melhores sobre o que dá certo e o que não dá certo dentro de uma banda.

Rock On Stage: O Hangar já fez abertura para grandes bandas de nome e peso no cenário do Rock'n'Roll, qual a sensação em fazer essas aberturas e qual a mais marcante? Tem alguma banda em especial que gostariam de dividir o palco?

*Aquiles Priester: Abrir para o Dream Theater em 2008 foi muito importante (confira como foi), pois, não era exatamente o mesmo público que nos acompanhava e teve um gosto especial por termos sido convidados pelo Portnoy (N.E.: então baterista da banda).

*Fabio Laguna: Gostaria muito de abrir um show do Anvil. Os fãs deles sempre foram muito fiéis.

Rock On Stage: Como foi feita a escolha da capa do cd Stronger Than Ever? O motivo do empalhamento da cabeça de um animal é para mostrar a agressividade e o peso que traz o cd?

*Aquiles Priester: A ilustração foi feita pelo tatuador de porto alegre Daniel Toledo. Foi uma encomenda exclusiva para esse disco. Existe uma ligação muito forte entre a capa e as letras e o significado figurado é exatamente esse, que ainda existe vida após a morte.

*Fabio Laguna: Pronto, agora sei o motivo. (risos)

Rock On Stage: Nunca foi fácil fazer Rock, em um país em que a música trilha caminhos tortuosos, e que nem sempre privilegia talento e qualidade artística, digamos, duvidosa, tem que ser forte para continuar na ativa, qual o segredo do Hangar para estar quase 20 anos no mercado?

*Aquiles Priester: Sentimos que banda faz parte e tem significado importante na vida de cada um. No Brasil, o mercado vai de mal a pior e nem por isso vamos lançar um disco em que não acreditamos. Por isso conseguimos chegar ao resultado do Stronger Than Ever.

*Fabio Laguna: O segredo é se preocupar com o que interessa: nossos amigos, também chamados de fãs... Prefiro chamar de amigos. Outro segredo é pensar que o dinheiro seja consequência, pois, se tratá-lo como objetivo é melhor desistir do Rock'n'Roll e encontrar uma ocupação de menor risco.

Rock On Stage: Stronger Than Ever é assim que marca a volta do Hangar, "mais forte do que nunca"? É assim que vocês se sentem? O nome foi proposital?

*Aquiles Priester: Sim, depois de quase implodirmos a banda, é assim que nos sentimos. Estamos empolgados, pois, o disco sairá também na Europa e o Japão e as duas gravadoras estão bem confiantes no disco e isso é muito estimulador.

*Fabio Laguna: Pois é, mais uma vez estamos provando que é possível fazer um trabalho de altíssima qualidade, sem ficar bajulando ninguém. O Hangar caminha muito bem com as próprias pernas. Isso irrita a “cena”. Estamos revigorados, focados e preparados para o pior, como sempre. Assim, qualquer resultado positivo, por menor que seja, é como se tivéssemos ganhado na loteria. Cada pequena conquista que alcançamos é tratada com o mesmo carinho de 20 anos atrás.

Rock On Stage: É visível a empolgação de vocês com esse novo trabalho, podemos notar pelos 'posts' nas redes sociais (acompanhei quase todos). Qual o impacto que vocês esperam causar no público? Qual o sentimento para este novo trabalho e o que ele traz de diferente, se comparado aos demais álbuns do Hangar?

*Aquiles Priester: Acredito que todo artista sempre acredita mais no seu trabalho mais recente, afinal, se não fosse dessa maneira, não existiriam motivos para ele colocar o trabalho no mercado. Mas, se ele é melhor ou pior, ou se vai cair no gosto do público, só o tempo vai dizer.

*Fabio Laguna: Eu mesmo só digeri o disco todo alguns dias depois que a 'master' estava pronta... Não posso cobrar de um ouvinte que ele faça o mesmo como um 'fast food'. Sem dúvida nenhuma, o Stronger Than Ever é o disco mais complexo e, ao mesmo tempo, despretensioso do Hangar. Então, não dá pra saber como será recebido. Quem curtir, agradeceremos muito quando recebermos palavras de apoio e incentivo. O importante é tocar as pessoas de alguma forma. Quem não curtir, bom, existem centenas de bandas no mundo, procurem por elas ao invés de se tornarem críticos oportunistas das redes sociais.

Rock On Stage: Ficou bem ressaltado em tudo que li a respeito do álbum, o nome de Jesse Vainio (Apocalyptika, Lordi, Thunderstone), podemos saber por qual motivo ele foi escolhido para mixagem? Vocês estão satisfeitos com o resultado?

*Aquiles Priester: Conheci o Jesse através do Facebook e ele disse que sabia que estávamos gravando um disco novo e gostava muito da banda. E disse que gostaria de fazer uma 'mix' teste sem compromisso. Eu topei. Quando ele enviou a primeira 'mix' só com bateria, baixo e guitarra, quase caí para trás. Eu não falei nada sobre como eu gostaria que o disco soasse e ele que achou a nossa sonoridade através do talento e sensibilidade dele. Fiquei uma semana na Finlândia para finalizar a mixagem com ele, num frio absurdo, sempre abaixo de zero.

*Fabio Laguna: Antes de ele enviar essa 'mix' teste, nos enviou algumas amostras de trabalhos anteriores e lembro-me que disse: "o Hangar nunca teve uma finalização desse nível". O cara é fantástico!

Rock On Stage: Para a masterização vocês escolheram Svante Forsbäck (Rammstein, Michael Monroe, Apocalyptika, Lindemann). Qual foi a intenção da banda e o quanto ele ajudou para que o resultado final ficasse ainda melhor?

*Aquiles Priester: A indicação ocorreu através do Jesse. Acho que quando rola uma indicação dessa forma, a chance do resultado ser melhor é maior. Ele já tinha feito outros trabalhos com o Svante e quando ele ouviu a 'master', ele disse que ficou rindo sozinho. Gostei muito de trabalhar com eles dois, pois, enquanto a banda não tinha ficado 100% satisfeita, eles não mediram esforços para exceder as nossas expectativas.

Rock On Stage: A balada 'Just Like Heaven' contou em sua versão acústica com Luiz Fernando Venturelli, como foi o convite e vocês já pensam em shows colocar uma música acústica em alguma parte do set?

*Aquiles Priester: Aconteceu enquanto a gente gravava a primeira versão. Pensei que seria interessante ter uma versão acústica com melodia de voz diferente e não tão pesada. Além disso eu pensei no Lufe, pois, já conhecia o trabalho dele através do Noturnall e sabia que ele teria a sensibilidade dele.

Rock On Stage: O Hangar já chegou num consenso de qual música é a preferida da maioria ou a aposta para digamos "bombar"? Após ouvir o cd já tenho meu palpite ...

*Aquiles Priester: Eu gosto do disco como uma obra toda. Mas, a "Just Like Heaven" e a "A Letter From 1997 (MHJ)", tem um significado especial para mim por vários motivos.

*Fabio Laguna: Penso que a "Just Like Heaven" vai agradar desde o jovem Metal Head até os avós dele... Das “pancadarias”, a "Beauty In Disrepair" é a minha aposta como uma provável "bomba".

Rock On Stage: Gostaria de saber um pouco sobre o processo de composição, que pelo que pude observar foi inteiro composto pelo Aquiles Priester ou teve participações nas letras de outros membros? E de quem foi?

*Aquiles Priester: Só compus as letras sozinho. As músicas foram compostas por todos os integrantes. É assim que acho que uma banda deve ser.

*Fabio Laguna: O Aquiles curte escrever, é o integrante que está mais envolvido pessoal e profissionalmente no universo Heavy Metal. Então... confiamos e deixamos essa função de letrista para ele. Já as composições foram feitas da mesma forma que sempre fizemos... Todo mundo levou seus fragmentos e ideias para a sala de ensaio e jogamos na roda... Temos a política de que mesmo quem seja mais "travado", se estiver presente na sala terá participação equitativa nos créditos morais daquela determinada composição.

Rock On Stage: Qual a mensagem que vocês querem passar com este álbum? Digamos qual o foco dele? medo, desilusão, força, volta por cima, desafios?

*Aquiles Priester: Dessa vez não existe um conceito único. Acho que as pessoas vão interpretá-lo de diversas formas diferentes e isso torna tudo muito mais interessante.

Rock On Stage: O que vocês procuraram trazer para este novo trabalho e as composições, e também quanto a parte de técnica e de equipamentos que vocês utilizaram? Peço-lhe para nos contar um pouco?

*Fabio Laguna: Eu só procurei fazer um som porreta.

Rock On Stage: Quais os planos para turnê após o lançamento oficial do cd?

*Aquiles Priester: Estamos muito ansiosos para tocar as músicas ao vivo e espero que os contratantes acreditem no novo trabalho da banda.

*Fabio Laguna: Fizemos nossa lição de casa... Temos um disco novo. Logo vem um DVD, dois videoclipes... Agora é a vez daquelas pessoas que dizem: "vocês precisam tocar na minha cidade" se sentirem parte disso e elas mesmas nos levarem para as suas cidades... Estaremos aí para isso. Juntem seus amigos, façam uma 'vaquinha' e realizem a produção. Nós os ajudaremos a viabilizar. Somos nossos próprios empresários... Nunca fomos uma banda cara, nunca fomos "gafanhotos", que passam por uma cidade, arrancam o que podem e "traumatizam" os contratantes com exigências esdrúxulas.

Rock On Stage: Já temos alguma data e local previsto de shows? Quais as expectativas para shows fora do país?

*Aquiles Priester: O disco só vai sair mundialmente no dia 22 de julho e até lá, as expectativas estão muito grandes.

*Fabio Laguna: São as melhores possíveis! Nunca tivemos tanto apoio na história da banda e lembre-se que estamos em um período de contração da economia no geral... Só temos motivos para comemorar.

Rock On Stage: Antes da composição de Stronger Than Ever tivemos a saída de Eduardo Martinez e o retorno de Cristiano Wortmann. O que esse retorno agregou para o novo álbum do Hangar?

*Fabio Laguna: O Martinez saiu no meio da pré-produção do disco novo. Temos a participação dele como compositor no Stronger Than Ever. Mais do que uma diferença musical, o Cristiano trouxe uma euforia que estava um pouco apagada na banda. Ele está muito feliz com seu retorno e cheio de vontade de fazer as coisas acontecerem, essa motivação é contagiante.

Rock On Stage: Muito obrigado pela entrevista, deixo o espaço livre para você e também para enviar uma mensagem aos leitores (as) do Rock On Stage e aos fãs da banda.

*Fabio Laguna: Obrigado ao Rock On Stage pelo apoio e pelo espaço! Nos vemos na estrada! Beijo para as meninas, abraço para os meninos!!!




Fotos: Jorge Maluf e Natália Lett
Agradecimentos à Thiago Rahal Mauro Junho/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou do Blog? Comente aqui!