sábado, 22 de julho de 2017

JACKER'S - The Wall Café - São Paulo 17 de junho de 2017


Sábado noite agradável, fui convidada pelos meninos da Jacker’s para conhecer o trabalho da banda, no The Wall Café no tradicional bairro do Bexiga.

Obvio que aceitei, sem receio algum, por já conhecer o trabalho do vocalista Alax William na Confessori Band. Cheguei a casa por volta das 23:00 horas, bem situada de fácil localização, em uma rua com diversos outros locais de entretenimento.

A casa em si eu não conhecia e confesso que gostei bastante do ambiente, dos funcionários, menos da recepcionista que além de mau humorada tinha a cara zangada. A casa tem um palco excelente acessível para quem gosta de ver de pertinho o show.




Por volta da meia noite estava bem ansiosa para começar o show, estava com muita vontade de conhecer o repertorio. A meia noite e meia, mais ou menos, a banda sobe ao palco e já de cara me surpreende mandando Bon Jovi - It's My Life e o público reage, indo todos para frente do palco e curtindo junto com a banda. Na sequência tocam Bon Jovi – Livin’ on a prayer, Guns n’Roses – Knockin’ on heaven’s door. Saio da frente do palco vou para lateral para observar a receptividade da galera que não parava um minuto se que de cantar junto.




Posso observar a técnica do guitarrista Fabio Lopes, do baixista Carlos Eduardo Yamazaki (Kadu), do baterista Herbert Loureiro, e do vocalista Alax William a banda é muito boa e empolga todo público que não se move da frente do palco.

Foreigner – I want to know what love is, Mr. Mister – Broken Wings, Chris Issak – Wicked game, Depech Mode – Enjoy the silence, Depeche Mode – Strange Love, Erasure – A little respect, tocam na sequência e num folego invejável Alax leva a plateia ao delírio com sua energia.





O que consigo observar a cada canção é o esforço tanto da banda para executar cada nota perfeitamente sem nenhum erro algum e manter o nível da apresentação devido a pequenos problemas técnicos de som que passaram despercebidos pelos demais presentes.

Além do esforço do Alax em cantar no mesmo tom de cada cantor a técnica que ele usa eu chamaria de perfeita pois fica muito próximo sem fazer cover, não é uma cópia, eu chamaria de homenagem, esse cara canta demais porque considero esse trabalho muito difícil, já vi cantores diversos passar por isso e estragar a música ou querer colocar a própria interpretação e não mostrar coisa alguma, mas o que ele faz com um microfone na mão é fantástico.






U2 – Where the streets have no name, U2 – Pride (in the name of love), Simple Minds – Don’t you (Forget about me), Journey – Separate Ways, Journey – Don’t stop believin são tocadas e o público se mantem fiel na frente do palco, a energia é contagiante, percebe-se pelo set list que a banda é eclética pois não fica na mesmice de um só ritmo ou um cover especifico de alguma banda, isso agrada a todos pois cada um tem suas preferencias então nota 10 para o Jacker’s na escolha do repertorio.

A banda faz uma pausa e batemos um papo sobre tudo que rolou até o momento, falamos sobre a qualidade do som eu achei o som do microfone baixo, mas no mais estava tudo perfeito aproveito para conhecer todos os integrantes e parabeniza-los, pois, a banda é completa e está afiadíssima.







Na volta do intervalo Alax manda de cara, Queen – The show must go on, Europe – The final Countdown, Billy Idol – Rebel Yell, Living Color – Cult of Personality, Oingo Boingo – Stay, Huey Lewis – The power of love, Kenny Loggins – Footloose, Michael Sembello – Maniac, Kenny Loggins – Danger Zone, Glenn Frey – The Heat is on, 3 Doors Down – Here Without you, The Calling – Wherever you will go, Goo Dolls – Iris, Vertical Horizon – Everything you want, Shinedown – If you only knew.

E quando penso que não mais folego dele ou da plateia ele incendeia com Pearl Jam – Black, Pearl Jam – Alive, Alice in Chains – Man in the Box, Audioslave – Show me how to live, Soundgarden – Outshined, Rage Against the Machine – Killing in the name, o show foi impecável energizante finaliza a apresentação as cinco da manhã com a casa ainda lotada e cantando junto com Metallica – Enter Sandman.






Permanecemos conversando até quase as seis e enquanto fico na saída da casa que ouço das pessoas indo embora é quanto foi divertido o quanto a banda é boa.

Os caras mandaram muito bem, agradou e acertou em cheio toda galera que compareceu ao The Wall Café, as músicas variando entre sucessos pop’s, metal, hard rock, classic rock, trash rock etc. Convido a quem ainda não conhece a banda comparecer a um show, ou melhor convoco pois sei que não haverá arrependimentos realmente vale muito apena conferir são músicos de primeira excelentes profissionais e pessoas acima de tudo.


Sempre que posso compareço aos shows e apresentações da Jacker’s, que mesmo com um set reduzido, e um show super curto, como foi na última Tatoo Week.



Ainda assim foi incrível, prestigiar a banda ao lado de amigos queridos, e contaram com a presença de Vivi Monteiro (Murphy Monkeys Band) cantando deliciosamente e arrasando Girls Just Want to Have Fun - Cyndi Lauper.








Set List da Tatoo Week


Bon Jovi - It's My Life


U2 - Pride (In the name of love)


Simple Minds - Don't You (Forget about me)


Journey - Separate Ways


Metallica - Enter Sandman

Após o público pedir BIS, os Jacker’s tocaram para finalizar o show, Billy Idol - Rebell Yell.

Espero ainda poder comparecer a mais shows me conquistaram vão ter me aguentar, e me conquistaram simplesmente porque a banda é demais incrível de verdade e acima de tudo receptivos é uma troca de gentilezas vibração e boas energias e um papo excelente a diversão e o espetáculo são garantidos! 

JACKER’S


Alax William – Vocal


Fabio Lopes – Guitarra


Carlos Eduardo Yamazaki (Kadu) – Baixo


Herbert Loureiro - Bateria


Agradecimento especial a Dener Ariani que concede as fotos para esta resenha, a Lirian Beretta, Lênin Zanovelli, Priscilla Rodrigues, Mallu Rodrigues por toda companhia e diversão desses momentos, a todos da banda pela simpatia e amizade e a Viviane Monteiro pelo carinho de sempre.